segunda-feira, 27 de junho de 2011

HÁ 131 ANOS OCORRIA A HECATOMBE NA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO-PE

INTRODUÇÃO

Sem dúvida um dos maiores acontecimentos do fim do século XIX, ainda pouco conhecido pelos vitorienses. Nesse intuito  que o BLOG VEN(Via Expressa de Noticias), no seu papel de informar não poderia deixar de passar essa data, esse registro tão importante na história de nossa cidade. Começa hoje uma série que vai contar a história da hecatombe ocorrida na IGREJA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DOS HOMENS PRETOS(Bairro da Matriz), com detalhes graças ao ilustríssimo professor JOSÉ ARAGÃO, em seu livro sobre a história de nossa cidade.

SITUAÇÃO POLÍTICA DA PROVÍNCIA EM 1880-PARTE 1

Em junho de 1880, achava-se na direção do GOVERNO DO IMPÉRIO o PARTIDO LIBERAL, sendo chefe do gabinete ministerial o CONSELHEIRO JOSÉ ANTÔNIO SARAIVA.
Conselheiro José Antônio Saraiva- 1
Debatia-se, então, no congresso, o projeto da reforma eleitoral, dividindo-se as opiniões: eram alguns positivamente contra; outros admitiam-na, opinado, porém, que, equivalendo o projeto a um reforma da CONSTITUIÇÃO, não poderia ser votado pela ASSEMBLÉIA ORDINÁRIA, e sim por uma ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE, cuja convocação propugnavam.

Desembargador José Felipe de Sousa Leão-2
Em Pernambuco, encontrava-se o partido liberal cindido em duas alas; uma dirigida pela FAMÍLIA SOUSA LEÃO, cujos expoentes eram o DESEMBARGADOR JOSÉ FELIPE DE SOUSA LEÃO, presidente do tribunal de relação, e o seu irmão Dr. LUIS FELIPE DE SOUSA LEÃO, sendo os seus adeptos conhecidos como “LEÕES”; a outra formada pela maioria dos deputados provinciais, tinha como chefe o Dr. EPAMINONDAS DE MELO e se denominavam de oligarquia SOUSA LEÃO, (frase do deputado LOURENÇO DE SÁ na sessão de 18 de junho da assembléia provincial).

Esposavam os LIBERAIS “DEMOCRATAS” a tese de que a pretendida reforma eleitoral só poderia ser realizada por uma ASSEMBLÉIA CONSTITUINTE, enquanto os “LEÕES” seguiam a opinião do governo central, no sentido contrário.

SITUAÇÃO POLÍTICA NO MUNICIPIO DA VITÓRIA
Dr. José Felipe Sousa Leão(Desembargador)-2
Na Vitória, onde o Dr. JOSÉ FELIPE SOUSA LEÃO exercera, durante vários anos, a judicatura, e deixara amigos, a ala dos LIBERAIS “LEÕES” era ostensivamente chefiada pelo juiz municipal, Dr., NICOLAU RODRIGUES DA CUNHA LIMA, que se dizia “advogado do partido”, mas era, de fato, o executor fiel das ordens e instruções emanadas dos seus chefes, na província.

Acompanhavam-no a FAMÍLIA ÁLVARES DOS PRAZERES, proprietária dos engenhos CANHA, MIRINGABAS E BARRA; JOSÉ FRANCISCO PEDROZO DE CARVALHO, do ENGENHO GAMELEIRA; JOSE CAVALCANTI WANDERLEY, do ENGENHO POMBAL; JOAQUIM PESSOA CÉSAR DA CUNHA, do ENGENHO JUNDIÁ, outros pequenos agricultores e poucos eleitores residentes na cidade.

Formavam a corrente LIBERAL “DEMOCRATA”, a FAMÍLIA CUNHA BELTRÃO, proprietária dos ENGENHOS BENTO VELHO, CONCEIÇÃO e GALILÉIA; o Dr. AMBRÓSIO MACHADO DA CUNHA CAVALCANTI, do ENGENHO ARANDU DE BAIXO; seu irmão MANOEL CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE, do ENGENHO CACHOEIRINHA; JOÃO DE SÁ CAVALCANTI LINS, do ENGENHO CAMPO ALEGRE DO NORTE; JOÃO CLEOFAS DE LEMOS VASCONCELOS, do ENGENHO PIRAPAMA; JOÃO DURO DE OLIVEIRA, do ENGENHO LIVRAMENTO, e outros proprietários.
Na cidade predominavam a corrente “DEMOCRATA”, a qual tinha como seu órgão o semanário “A CONVICÇÃO”, dirigido por ULISSES PONCE DE LEON.

Era delegado de polícia o MAJOR JOAQUIM CÉSAR PESSOA DA CUNHA, dividindo-se as subdelegacias entre as duas alas.
Tentou-se uma conciliação entre os dois grupos, tendo acordado seus dirigentes em repartir igualmente os eleitores na formação do colégio eleitoral.
Sabendo, porém, que os “DEMOCRATAS” não votariam nos candidatos governistas para o SENADO e a CÂMARA, nas eleições de abril, promoveram os “LEÕES” à demissão dos elementos daquela facção que exerciam cargos policiais no município.
Ambrósio Machado da Cunha Cavalcanti- 3.
Rompeu-se, por esse motivo, o acordo, e ainda por que, segundo informa o Dr. AMBRÓSIO MACHADO, receando o Dr. NICOLAU que o partido conservador vencesse o pleito, propusera aos “DEMOCRATAS” empregar contra o mesmo a força policial, proposta esta que fora recusada.
No pleito de abril, amargou o PARTIDO LIBERAL “LEÃO” contundente derrota, na vitória, a qual ficara atravessada na garganta dos seus chefes.

OBS: Os Democratas eram chamados localmente de cachorros, portanto o confronto era entre Leões x Cachorros.

CONTINUA...

TEXTO ORIUNDO DO LIVRO HISTÓRIA DA VITÓRIA DE SANTO ANTÃO-VOLUME 2, DO PROFESSOR JOSÉ ARAGÃO.

FOTOS: 1.Oriundo do Blog do Etevaldo, 2 e 3. Oriundo da digitalizaçao.fundaj.gov.br.

do:vitoria1.com
POR JOHNNY RETAMERO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário